segunda-feira, junho 21, 2010


janela

reparei hoje que tens um olho de cada cor. com um vês-me por fora, com o outro vês-me por dentro. não sei qual é qual, sei que os meus se atam aos lenços que saem da tua boca, presos por nós, quando me dedicas esses mirabolantes números de magia. palavras vestidas de cordas. laços azuis e verdes.

prometi que ia passar o dia muda. a minha boca seria uma janela fechada, terias de ler-me nos olhos, na pele, aquilo que quisesses saber. não te vi nesse dia. cada hora que passava acoplada à seguinte com um clique, numa corrente que me asfixiava os gestos. a música a doer-me nos poros como água oxigenada, o vento a lembrar-me que tenho corpo e que o corpo respira. nunca mais prometo nada, prometo. agora é noite e a luz é da cor que eu quiser.

acordei sobressaltada, a janela escancarada, as cortinas desesperadas por tocar a fachada em frente. levantei-me entorpecida e fechei a janela, devolvendo as cortinas brancas ao vidro e à parede. voltei para a cama e tapei-me até ao nariz para assistir ao teatro de sombras. preto no branco. um ramo, uma folha, um ramo, uma folha, um ramo, uma folha, um r amo, uma f olha, umr amo, umaf olha. amo. olha.






nota: a imagem não é minha. não sei de quem é.

domingo, junho 20, 2010


uma multa e três
flores de jacarandá
no meu pára-brisas
no peito não pára
a corrente
de ar

quinta-feira, junho 10, 2010





ver
se

quinta-feira, junho 03, 2010


sãodiassãoh orassão d ias
semanassemanas emanas
?