lura

pois mas isso agora que im
porta?
fechaste-te na tua cápsula do tempo
e enterraste-te cheio de coisas no jardim do miradouro
à espera de um dia em que chegasses
munido de uma vara de vedor
e te encontrasses entre dois canteiros secos
(tens de rever o teu manual de magia)

é que a ubiquidade
embora exista
não se submete a mapas sabes
não se deixa carto
grafar
e respira
a ubiquidade respira
vive das constantes manobras de reanimação
entre lugares
não sobrevive com cadáveres agarrados
ainda que tudo o resto pulse e viva
nem com sopros cardíacos
por muito que o canto dos pássaros
abafe os ruídos parasitas
pelo menos durante o dia

aí em baixo o som chega-te abafado
por camadas estratigráficas pouco permeáveis a raízes novas
e não são ondas aquilo que julgas ouvir
mas antes os passos arrastados à superfície
do teu futuro
levantando nuvens castanhas de pó
cheias de tempestades contidas

fico aqui enquanto o sol estiver de frente
depois regresso à minha lura

Comentários